Métodos Minimamente Invasivos

O que é cirurgia minimamente invasiva?

Cirurgia minimamente invasiva é realizada através de pequenas incisões, que podem variar de 0,3 cm até 1,5 cm. São utilizados instrumentos cirúrgicos específicos para operar através dos pequenos cortes. Também é utilizada uma câmera que fornece as imagens para a cirurgia. Atualmente, os métodos minimamente invasivos são a cirurgia por vídeo (videolaparoscopia, videotoracoscopia, etc) e a cirurgia robótica.

Videolaparoscopia

Procedimento realizado com pequenas incisões na região abdominal, onde é introduzida uma  microcâmera com uma fonte de luz, para observar o interior do organismo, e os instrumentos cirúrgicos necessários para realizar a cirurgia,, como cortar e remover o órgão ou parte afetada, deixando cicatrizes muito pequenas. Nos últimos anos, houve um aumento considerável da indicação do uso da laparoscopia para o tratamento de alguns tipos de câncer como fígado, pâncreas, baço e vias biliares. Para outros órgãos, como cólon e reto, já se considera a videolaparoscopia como o melhor tratamento cirúrgico para esses órgãos há vários anos.

 

Cirurgia Robótica

A Cirurgia robótica é um tipo de procedimento minimamente invasivo, ou seja, com pequenos cortes. Geralmente é utilizada para procedimentos cirúrgicos que requerem dissecção precisa e em espaços restritos. O principal diferencial é a precisão oferecida pela técnica. Nela, o cirurgião fica sentado em um console, próximo ao paciente, operando com uma espécie de joystick,com total controle das articulações do robô e pinças acopladas a ele. Um outro cirurgião, auxiliar, fica o tempo todo ao lado do paciente, auxiliando na cirurgia e realizando a troca das pinças de cirurgia que são necessárias ao procedimento.

Vantagens dos métodos cirúrgicos MINIMAMENTE INVASIVOS
Os métodos de cirurgia minimamente invasiva ,com uso de videolaparoscopia e cirurgia robótica, proporcionam diversas vantagens ao paciente, dentre elas:

– Menos dor no pós-operatório

Devido  às pequenas incisões que são feitas, a delicadeza dos materiais cirúrgicos que são utilizados, a melhor visualização dos tecidos e estruturas que devem ser dissecados, tanto a vídeo cirurgia como a cirurgia robótica proporcionam um pós-operatório com menos dor, permitindo o uso de uma menor quantidade de analgésicos após a cirurgia.

– Menor tempo de internação
Pelos mesmos motivos anteriormente descritos, os pacientes operados por via minimamente invasiva demandam um período menor de internação, retornando mais rápido às atividades rotineiras.

– Menor risco de infecção
Os métodos expõem menos o paciente, principalmente na realização de procedimentos de alta complexidade, pois as incisões são pequenas e a manipulação dos tecidos se dá basicamente pelas pinças de cirurgia.

– Menor sangramento
O uso de câmeras de alta definição proporciona uma grande ampliação das imagens e com muito detalhe, o que facilita para o cirurgião visualizar vasos delicados e pequenos e distinguir, com maior facilidade, os planos dos tecidos que  têm de ser manipulados, diminuindo muito o sangramento. A cirurgia robótica, por exemplo, usa por padrão as imagens em 3D (tridimensional), o que proporciona ainda mais detalhes e a segurança da noção de profundidade. Atualmente, também existem equipamentos de cirurgia por vídeo (videolaparoscopia) que também proporcionam imagens em 3D.

– Melhor pós-operatório
Todos os fatores previamente descritos permitem uma recuperação mais rápida, menos complicações no pós-operatório e melhor aspecto estético, devido  às pequenas incisões.